Atravessamentos

GE - VISIBILIDADES

Comissão científica

Junia Mortimer - UFBA - coord.
Washington Drummond - UNEB
Xico Costa - UFPB
Rita Velloso - UFMG

Articulação

Camila Benezath
Cícero Menezes
Bárbara Rocha
Ramon Martins
Fábio Pina
Lorena Costa

O plano de atravessamento visibilidades propõe discutir gestos urbanos utilizando imagens em anteparo. Como anteparo entendemos as diversas técnicas empenhadas na corporificação de uma imagem. Não se trata de empreender um estudo representacional dos gestos urbanos, mas de trabalhar coletivamente na construção do tema deste evento pela experiência do visível. Propomos explorar imagens como instância de pensamento que faz aparecer as coisas, conforme flexões ou qualidades heterogêneas; imagens que ao "relampejar" sobre a malha da urbanidade na qual estamos necessariamente implicados promovem, ao mesmo tempo, uma torção, um esgarçamento, uma instabilidade, um furo nessa malha.

[para seleção dos participantes, esperamos, além da inscrição on line, o envio de contribuições em formato de texto e imagem - até 300 palavras + 1 imagem, numa mesma lauda, em formato pdf - pelo e-mail corpocidade@gmail.com]

GE - LIMINARIDADES

Comissão científica

Thais Troncon Rosa - UFBA - coord.
Eduardo Rocha Lima - UFBA
Cibele Rizek - USP
Alessia de Biase - LAA/CNRS

Articulação

João Pena
Anna Raquelle
Milene Migliano
Janaína Lisiak
Maria Isabel Rocha
Thiago Magri
Clara Passaro

Este plano de atravessamento propõe discutir gestos urbanos a partir de práticas, processos e dinâmicas socioespaciais implicadas na tessitura de urbanidades liminares. Zonas menos definidas que as fronteiras, liminaridades evocam passagens, deslocamentos, instabilidades, transitividades, mediações, disputas, conflitos. Permeando a investigação sobre gestos urbanos, fazem emergir relações e tensionamentos entre diferentes racionalidades, normatividades e territorialidades - muitas vezes simultâneas e sobrepostas - presentes na construção cotidiana do social, do urbano, de urbanidades contemporâneas. Seriam as liminaridades um pressuposto mesmo dessas urbanidades? Em que medida a alteridade inerente aos gestos que aqui nos interessam – quase sempre fugidios, em movimentos de associação e dissociação, de aproximação e distinção – pode fazer valer sua potência não apenas na produção da cidade, mas na própria produção de conhecimento sobre a cidade?

[para a seleção dos participantes, solicitamos, além da inscrição on line, o envio de um texto de até 500 palavras, em uma lauda, formato pdf - pelo e-mail corpocidade@gmail.com - , sendo facultativo o envio de outros materiais complementares que possam contribuir com o grupo de estudos durante o Corpocidade 5]

GE - PERFORMATIVIDADES

Comissão científica

Fabiana Dultra Britto - UFBA - coord.
Jussara Setenta - UFBA
Maria Angélica da Silva - UFAL
Vera Pallamin - USP

Articulação

Ana Risek
Bruno Oliveira
Giorrdani de Souza
Patrícia Zarske
Rafael Rebouças
Thulio Guzmán


Partimos da compreensão de que a corporalidade, embora referente à esfera privada da existência do corpo, é constituída da esfera pública por meio de experiências de afetação recíproca. Um processo modulado por regimes de poder que produzem e impõem certos modos de ser cujo desvio configura uma potência crítica aos contextos dados. Nessa confrontação com as estruturas normativas de que fazem parte, os corpos desenvolvem suas performatividades que se configuram em gestos. Pensar gesto como desafio a molduras politicamente saturadas sugere um atravessamento da noção de gestos urbanos aberto ao risco da interrupção de narrativas consolidadas.

[para a seleção dos participantes, solicitamos, além da inscrição on line, o envio de um texto em pdf - pelo e-mail corpocidade@gmail.com -, de até 500 palavras, na forma de um manifesto que exponha, como enunciação de posicionamento crítico, o caráter performativo da ação corpórea implicada na situação que o motivou]

GE - TEMPORALIDADES

Comissão científica

Paola Berenstein Jacques - UFBA - coord.
Luiz Antonio de Souza - UNEB
Margareth da Silva Pereira - UFRJ
Ricardo Trevisan - UnB

Articulação

Igor Queiroz
Leonardo Vieira
Dilton Lopes
Janaina Xavier
Cícero Castro
Lucas Moreira
Osnildo Wandall

A partir da ideia de Aby Warburg, de nachleben (sobrevivência), pretendemos focar os debates na sobrevivência dos gestos. Buscaremos assim estudar os gestos urbanos que ressurgem em outra época, que mesmo desaparecidos materialmente permanecem vivos, principalmente na memória e, assim, assombram as cidades em épocas posteriores. Propomos pensar a sobrevivência de gestos urbanos como um processo de transmissão, de narração, de transformação e de recepção da experiência urbana. Procuraremos discutir como a memória opera nesse processo, talvez como uma forma de herança de um tempo que ainda sobrevive, mesmo que em breves lampejos, em outro tempo, permitindo uma coexistência de tempos distintos no espaço urbano. O que certamente nos leva a questão do anacronismo, pautado na questão da memória, da memória social, cultural, mas também e, sobretudo, da memória involuntária. A memória involuntária, como os sonhos, opera por montagens, criando nexos inesperados, não lineares, de forma anacrônica e fragmentária. Trata-se de uma proposta de tensionarmos o campo das histórias das cidades e do urbanismo a partir de um complexo jogo de temporalidades, de diferentes forças entre passado e presente, entre os “ocorrido” e os “agora”, através de montagens sinópticas de tempos heterogêneos que ainda sobrevivem nas cidades, forças do passado que ressurgem no presente (sobrevivem para além de sua cristalização ou de sua materialidade) como relâmpagos, lampejos ou memórias involuntárias.

[para a seleção dos participantes, solicitamos, além da inscrição on line, o envio de um texto de até 500 palavras, em uma lauda em pdf - pelo e-mail corpocidade@gmail.com -, com possibilidade do uso de imagens. para o encontro, solicitamos que o participante traga algum material, em qualquer formato, referente a memórias de experiências urbanas de diferentes tempos, de preferência de um mesmo lugar/cidade, que possa contribuir com o debate presencial no grupo de estudos, esse material deve estar minimamente descrito ou exposto em imagem na proposta encaminhada]

Contato

Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia
Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo
Laboratório Urbano [Gabinete 4]

Rua Caetano Moura, 121 – Federação
CEP: 40210-905 – Salvador, Bahia, Brasil

corpocidade@gmail.com

Apoio

Realização